Quase 35...


Estava vendo fotos antigas e a sensação que tenho é que algumas coisas aconteceram em outra vida.

Vi fotos de casais que se desfizeram, de crianças que cresceram, de adolescentes que viraram adultos, de trabalhos que passaram.... De uma "eu" que não existe mais.

Uma vida que me trouxe até essa vida, mas que hoje parece tão desconectada da minha realidade.

A sensação que tenho é que eu era mais corajosa, meu cabelo era mais brilhante, minha cabeça mais leve.... Sim, é bem verdade que naquela época eu não tinha paredes (lê-se financiamento imobiliário), não tinha conta conjunta (casamento) e nem a responsabilidade gigantesca que é dar conta de uma pessoa de cabelos cacheados e opiniões fortes.... Definitivamente mais leve lá pelos anos 2000....

As vezes quando eu ouço aquela playlist repleta de Marley eu até questiono como seria se eu tivesse levado a sério aquele meu plano de largar a faculdade de turismo para vender côco em Itacaré (sim, eu era essa pessoa em 2001). Não sei se daria certo, tenho uma amiga (lov u bebê, sds), que sempre me diz que eu não ficava bem de colarzinho de miçangas com côco (questionável, me achava estilosa).

A verdade é que é uma grande sacanagem comparar uma vida que existe, com seus desafios, perdas e ganhos... uma vida real, com uma vida imaginária.

Na minha vida imaginária perfeita, a gente mora em Itacaré e a Manu brinca na praia todo dia. Eu facilito rodas de mulheres e gestantes e o Vini tem uma vida mais tranquila e consegue fazer exercício na praia todo dia.

Pois é, como tudo que é perfeito ela seria irreal...

Se eu tivesse abandonado a faculdade de turismo em 2001 não teria entrado na TAM, conhecido duas das minhas melhores amigas e nem o Vini, ou seja, ninguém me zoaria com colar de côco, não teria crianças crescendo (meu afilhado amado), nem casamento e nem Manu.

Não teria terminado a faculdade de turismo e talvez não percebesse que eu deveria ter feito psicologia mesmo. Talvez não tivesse roda de gestação e pós parto e nem WhatsApp de madrugada com foto de parto e bebê recém parido. 💖

É, eu não seria eu. Seria outra.

A verdade é que eu gosto de lembrar dos meus sonhos, olhar minhas fotos com cabelo brilhante e cara lavada. Mas também gosto muito de olhar para as minhas paredes, minha família, meus amigos, meu trabalho e as minhas escolhas.

Há uns 6 anos levei todos esses questionamentos para a terapia, minha terapeuta pacientemente me esperou falar, desabafar e reclamar da minha vida "certinha e previsível"... "queria pegar uma mochila e sair pelo mundo!! Sabe... viver sem saber como será o dia de amanhã!!"

Ela me respondeu: "Damiana, a gente escolhe o que dá conta de viver. Valide as suas escolhas e viva a SUA vida."

Fez sentido pra mim e é por essas e outras que eu digo que terapia é amor!! Não abro mão mesmo...

Pode ser que daqui uns anos eu esteja lendo esse texto e pensando em tudo o que vivi para chegar até ali.... Hoje tenho segurança para dizer que serão boas lembranças. 💘

#quase35 #finaldeumciclo #escolhas #vida #meudiachegando #gratidão#amor #eucom21


Posts Em Destaque
Posts Recentes