Sobre o Aborto



Ouvi o relato abaixo há algumas semanas e fui autorizada a divulgar de forma anônima. Ele é um relato sobre um casal que optou por realizar um aborto. Quando for ler, tente faze-lo com empatia e sem julgamentos... Esta é a história:


“Este é um relato real e ainda é muito difícil para eu falar sobre esse assunto. Uns anos atrás tinha terminado um relacionamento longo de forma bem complicada. Na semana seguinte, uns colegas me convidaram para sair. Acabei bebendo demais, fui pra casa de um colega e acabamos transando. Estava tudo incrível, a relação aconteceu de forma muito natural e mágica, mas no fim, caiu a ficha...estávamos transando sem camisinha. Ao perceber o que tinha acontecido, no mesmo instante, retomei minha sobriedade e entrei em pânico. Pela manhã, corri para comprar a pílula do dia seguinte. Tomei-a e esperei. Estava uma semana antes da minha menstruação descer... 15 dias depois, nem sinal dela e não tive dúvidas: estava grávida!


Conversei com meu colega sobre a minha ‘suspeita’ (porque na verdade eu tinha certeza) e fui fazer o exame de sangue. Foi a noite mais longa, para ambos. E então a confirmação!! Realmente eu estava certa. Era uma mistura de alegria, medo...o mundo parecia mais colorido, eu me sentia mais bela, mas ao mesmo tempo eu não estava segura para continuar com essa gestação. Tinha realmente acabado de sair de um relacionamento complicadíssimo que ainda não estava bem resolvido, tinha um emprego terrível com um salario de merda e um pequeno a caminho que dependeria completamente de mim. Encontrei meu colega depois de sabermos o resultado. Ele tinha a expressão de medo, insônia e alegria...tudo misturado. Ele também estava no termino de um relacionamento mal resolvido e estávamos muito confusos e inseguros.


Ele me apoiou e disse que decidiríamos juntos o que fazer.


Chegamos à conclusão que, apesar da alegria de saber que seríamos pais, não queríamos tamanha responsabilidade naquele momento. E infelizmente decidimos pelo aborto. Pela internet encontramos o contato de um médico que vende o remédio clandestinamente e num dia de folga fizemos o procedimento. No mesmo instante que fizemos, nos arrependemos muito, mas era tarde demais. Todo o procedimento foi dolorido fisicamente e emocionalmente. Sangrei muito por mais de 1 mês. Passei mais de 1 ano em arrependimento, imaginando a barriga crescendo, o nascimento, como o bebê seria, como ele estaria agora...e hoje sei que fui covarde. Fui muito covarde em não assumir a responsabilidade dessa vida. Mas essa é minha experiência e acredito que cada mulher deve ter o direito de liberdade com seu corpo.


Desde então, eu e esse meu colega continuamos nos relacionando e estamos há 5 anos juntos e felizes. Estamos acertando nossa vida juntos para poder receber o bebê que desejamos.”


Em tempos em que se está discutindo a descriminalização do aborto, começam a pipocar várias opiniões e julgamentos nas redes sociais e nas conversas de uma forma geral.


Não conheci até hoje ninguém que aprove, goste ou opte pelo aborto como método contraceptivo.


"Ah, vou transar sem camisinha!! Qualquer coisa aborto!! Huhuuu"


Isso não existe!! Sou psicóloga atendo mulheres e já atendi casos de aborto, naturais ou não. Sempre vi experiências dolorosas e sofridas. Acredito que não cabe julgamento, mesmo porque a opinião pessoal e as crenças de cada um não cabem numa discussão como esta.


É preciso atentar para uma questão de saúde pública, mulheres estão morrendo por abortos inseguros e crianças nascem quase sem perspectiva de futuro. Acho que vai muito além de usar métodos anticoncepcionais ou não... a discussão é mais ampla que isso... É preciso ter muito cuidado com a culpabilização da mulher, que é muito frequente e injusta em nossa sociedade.


Sobre o relato, é de uma mulher que hoje é mãe e está com este mesmo colega desde então. Antes de julga-la pense em quantas vezes você transou sem camisinha, em quantas vezes você viu uma conhecida sua ou amiga próxima que é mãe solo e que teve que parar de estudar para sustentar/criar o filho, quantas vezes você viu crianças nascendo em lares desestruturados ou tantas outras abandonadas em abrigos para adoção???


Quantas vezes você viu pais abandonando esses filhos? O que acontece com eles mesmo??


Você conhece alguma mulher que fez um aborto? Como foi isso para ela? Em que condições foi feito esse aborto?


Mulheres morrem fazendo abortos clandestinos diariamente. Mulheres, como eu ou você. Mulheres.


Damiana Angrimani Bonavigo é mãe e Psicóloga


#aborto #julgamentos #descriminalização #empatia #acolhimento

Posts Em Destaque
Posts Recentes