Eu já fui uma pessoa completamente diferente


Já acreditei que era preciso esperar 3 dias para ligar de volta pro paquera, que as jaquetas da Planet Hollywood eram legais e que o meu primeiro amor platônico seria eterno.


Não entendia porque as mulheres passavam por um parto normal, quando a cesárea era bem mais rápida.


Julgava as mulheres que amamentavam em público e ainda mais, aquelas que optavam por amamentação prolongada.


Quando alguém me dizia que fazia cama compartilhada, eu olhava torto e dizia a frase mais batida da face da terra: "E a intimidade do casal?"


Quando uma criança se jogava no chão do mercado gritando eu olhava para a cena e tinha certeza absoluta que isso nunca aconteceria comigo.


A verdade é que eu sempre fui a melhor mãe da face da terra....


Até que eu virei mãe de verdade.


TUDO, absolutamente tudo o que eu acreditava caiu por terra. E não foi pela metade não, foi completo... Pacote completíssimo!!


Parto: lutei muito pelo meu Parto Normal com o mínimo de intervenções.


Amamentação: 2 anos e 2 meses e seguindo!!


Criança no chão do mercado: Sim!!!


Cama Compartilhada: Opaaa!! Também!!


Depois de viver tudo isso e mais um pouco, uma série de crenças foram sendo desconstruídas, reconstruídas, elaboradas e modificadas. Novas escolhas foram sendo feitas. E assim como eu fiz escolhas diferentes da maioria, muitas outras mulheres optaram por uma outra forma de parir e criar os filhos.


Venho acolhendo algumas dessas mulheres no consultório. Digo acolhendo, porque é relativamente grande o número de colegas que não o faz. Muitas relatam que questões como a amamentação prolongada e a cama compartilhada não são bem aceitas e que em alguns casos elas acabam omitindo quando o fazem, pois já se sentiram julgadas e até aconselhadas a fazer de outra forma, o mais breve possível.


É no mínimo inquietante pensar numa situação assim, em que a pessoa que procura escuta terapêutica precisa omitir fatos do profissional que a recebe. O mundo está mudando. Os pais estão redescobrindo outras formas de criar seus filhos, por isso é preciso que alguns profissionais derrubem barreiras de conceitos pré existentes.


É preciso olhar para cada um de maneira única e singular. Cada história é uma história. Cada experiência é uma. Não há certo e errado, há escolhas, respeito, empatia e somente à partir disso que é possível promover autoconhecimento e ressignificação de conteúdos internos.


Conversando com uma amiga muito querida sobre o assunto, ela citou uma frase de Jung, que eu acho que cabe muito bem aqui:


“Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.” Carl G. Jung.


Acho que é isso... Vivendo, Crescendo, Mudando, Respeitando e Aprendendo.


Sou a Damiana, Mãe da Manuela e Psicóloga.




#escuta #Psicologia #psicoterapia #maternidade #escolhas #respeito #empatia #nãojulgar #camacompartilhada #amamentaçãoprolongada #partonatural

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 por Mãe Psicóloga. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now